Wednesday, September 23, 2009

Sentimento de culpa (em dois actos)

As notícias dizem-nos que as crianças não devem ficar nas creches mais do que cinco ou seis horas por dia. Os psicólogos explicam que as crianças precisam do contacto com a família, que sentem profundamente este afastamento, que mais do que cinco horas poderá ser traumatizante, que há até umas que ficam deprimidas. Cinco horas por dia é o máximo, alerta um psicólogo de voz melosa. Realmente. Os pais, esses malvados, que não se esforçam, que são uns irresponsáveis, que vão para a galdeirice um dia inteiro em vez de tomarem conta das crias, que até gostam e fazem de propósito para terem que trabalhar nove horas por dia só para estarem longe dos filhos rabugentos. Eu concordo plenamente. Cinco horas parece-me ideal. E desde já agradeço a preocupação do senhor psicólogo e, adivinho, pelas suas palavras, que posso contar com a sua ajuda para resolver esta situação. Digamos que lá pelas 15.00 pode ir buscar o meu pimpolho. A essa hora ele já deve ter acordado da sesta, por isso, dou-lhe a chave de minha casa que fica mesmo ao lado da creche e podem ficar à vontade a brincar e a estabelecer uma relação afectiva profunda, que eu não me importo, até à hora em que eu chegarei morta do trabalho. E, já agora, nos entretantos, podia ir adiantando o jantar, está bem?



(parte-se-me o coração todos os dias quando, depois de ter saído a correr do meu emprego com a sensação de que sou olhada de lado por toda a gente e de ter discutido com o taxista para ele ir um bocadinho mais depressa, entro na escola do meu pequenino, olhando para o relógio a ver se ainda não são sete horas, e ele vem a correr para mim com um beicinho de todo o tamanho e as lágrimas gordas a correrem pela cara, agarra-se a mim com força e não há quem consiga voltar a pô-lo no chão a não ser quando chegamos ao porto seguro da nossa casa. sim, os psicólogos têm razão, é uma merda de vida, mas escusavam era de o dizerem com esse tom censório, como se fosse fácil mudar isto, fazemos o quê?, deixamos de trabalhar e passamos a comer arroz todos os dias?, obrigamos os avós - quando os há - a virem da província para tomarem conta dos netos?, gastamos o pouco que nos sobra - quando sobra - do ordenado e contratamos uma empregada?, apostamos tudo no casino a ver se nos tornamos milionários? parte-se-me o coração e a única coisa que posso fazer é dar-lhe beijinhos e dizer muitas vezes a mãe está aqui, a mãe está aqui)

Labels:

31 Comments:

Blogger princesa das estrelas said...

Queriada amiga, vamos viver sempre assim, com este aperto no coração de não estarmos a ser as mães que deveríamos... mesmo que estejamos a fazer um belo trabalhgo (como sei que é o teu caso).
Mil beijos

10:55 AM  
Blogger Cindy said...

Infelizmente é assim e ainda gostava de saber se esses psicólogos que trabalham tanto tem tempo de qualidade (ao menos isso) para os filhos! Ou se a mãezinha não trabalha!

Beijocas grandes!

11:52 AM  
Anonymous Anonymous said...

como te percebo ...

11:55 AM  
Anonymous Anonymous said...

Dói, e dói muito. Só quem é mãe sabe a ferida em que fica o nosso coração. Não era preciso vir um psicólogo dizer isso, nós sabemos perfeitamente que os nossos filhos estão melhor connosco do que com qualquer outra pessoa.
Eu partilho inteiramente o teu pensamento. O meu está às 10 horas no infantário, e fico de rastos cada vez que penso nisso. E vou a voar, quando saio do trabalho para que ele não tenha que ficar nem mais um minuto sem mim.

12:33 PM  
Blogger SL said...

das duas uma: ou não temos filhos, ou não trabalhamos e não comemos. Não há outra hipótese... E como sofremos....

4:02 PM  
Blogger Noc@s said...

Dói muito mesmo. Partilho inteiramente o teu sentimento. Todos os dias fico de rastos pela quantidade de horas que não estou com o meu pulgo, mas definitivamente por mais voltas que dê não posso fazê-lo de outra maneira e não é preciso vir um sr. dr. não sei das quantas dizer o que qualquer Mãe sabe e o sofre na pele todos os dias.

4:10 PM  
Blogger Pink Panther said...

Nem é preciso falar de creches ou infantários... já é suficientemente mau termos que deixá-los com os avós mesmo que seja em nossa casa... e doi mais a nós do que a eles... porque sabemos que eles estao a ser bem cuidados e estao no ambiente deles... mas... nao estao connosco! Sei por experiencia propria... nao é o pôr na creche que custa... é simplesmente deixá-los!

Beijos

Pink

5:37 PM  
Anonymous Anonymous said...

olá

enquanto psicóloga reforço mais a qualidade do que a quantidade. claro que é importante o tempo dispensado em família, mas uma coisa é partilhar somente espaço e tempo, outra coisa é partilhar interesses e conversas. sejamos realistas, um mundo perfeito de 5 horas de trab não existe ... também temos de acreditar (até por q é verdade) que a interacção com os pares e com outros adultos responsivos que n os pais são fundamentais para o desenvolvimento da criança.

desculpa lá o comentário chato!

p.s.: desconfio quem tenha sido o psicólogo da voz melosa ;)

Ana

6:31 PM  
OpenID gilvas said...

e ainda me perguntam porque diabos nem sequer penso em ter pimpolhos. porque tê-los se mal poderemos olhá-los? fora a questão de frear o crescimento populacional, que, hoje em dia, é uma das poucas coisas efetivas a serem feitas para salvar o planeta dos seres humanos.

6:51 PM  
Blogger MW said...

Puta de vida. Eu também digo ao meu "A mãe está aqui". Os olhos dele alegres por eu estar ali ainda me fazem sentir mais culpada.Força!

7:00 PM  
Blogger SMS said...

Amiga, se o psicólogo da voz melosa for quem eu penso, podes escrever o que eu te digo: é do género do façam o que eu digo, não façam o que eu faço. Há muito bom psicólogo que trabalha quase 24 horas por dia há vários anos e que tem vários filhos. Psicólogos que se desdobram em programas de televisão, rádio e imprensa, sobrando-lhes, seguramente, muitíssimo pouco tempo para os seus filhos. Mas enfim. Para dizer essas crueldades aos outros estão sempre prontos! Bah!!! És uma boa mãe, e tens de trabalhar. E pronto. Fizeste-me chorar com o teu texto e isso chateia-me. Porque já não estou grávida e nem sequer posso culpar as hormonas. Beijo muito, muito grande. Abraço muito, muito apertado.

10:38 PM  
Blogger Cookie said...

Ainda hoje comentava com uma amiga que evitava a todo o custo pensar nisso. Porque acho que estou a fazer o melhor que posso e sei, vivo a correr e sempre com pesos na consciência. Felizmente no infantário sou normalmente recebida com um enorme sorriso e um abraço de cortar a respiração. Se assim não fosse (como é o teu caso), ainda seria mais dificil.
Como alguém disse acima, concentremo-nos na qualidade do nosso tempo com eles... o que também não é fácil, porque ao fim de tantas horas de trabalho só apetece é descansar... mas enfim, é o que está ao nosso alcance.

Bj a (mais uma) super mulher!
Cookie

10:57 PM  
Blogger Morena said...

É bem verdade que nos doi mais a nós do que a eles. Às vezes faço um esforço para ir buscar a minha piolha mais cedo e sou brindada com um "já mamã? posso brincar só mais um bocadinho?". A verdade é que também eu passei 10 horas na escola quando era criança e em nada afectou a minha relação com a minha mãe (os meus pais são divorciados) - mais próximas não poderíamos ter sido ou ser...Mesmo que não o percebam agora mais tarde vão perceber que fizemos tudo o que podemos por eles, da melhor forma que pudemos e soubemos!

11:47 PM  
Anonymous Anonymous said...

Como não tenho filhos, falo da minha experiência como filha, pois também eu passei horas num infantário, que a maior parte das vezes detestava. Era sempre a ultima a ser resgatada, o meu pai coitado devia morrer de nervos no transito, mas muitas vezes estive para ir com a funcionária para casa dela. Como eu detestei esses tempos, mas como é obvio hoje não culpo os meus pais por isso, a vida não era fácil e admiro-os muito pelo esforço que fizeram para me criar da melhor maneira.

Hoje, o que penso é que algo está muito mal nesta sociedade, as mulheres lutaram pela sua independencia, não é que eu seja a favor da forma como as mulheres viviam antigamente, mas trabalhar e ter filhos é algo quase incompativel, pelo menos no que toca a empregos com horários fixos. Eu não me vejo nessa situação e hoje digo muitas vezes que não porei filhos no mundo para passarem o que eu passei, se bem que aquilo que passei me tornou uma pessoa mais forte e não uma mimadinha que julga que tudo na vida são facilidades.

Maria

11:03 AM  
Blogger I. said...

Se os pais deixam os filhos no infantário muitas horas, não é porque queiram, mas porque não conseguem organizar a sua vida de outra forma.
Estar a escarafunchar esta incapacidade é uma crueldade sem nome.
E apontar o dedo à falta de apoios, em vez dos pais, isso é que era.

12:48 PM  
Blogger InêsN said...

eu partilho a tua irritação com esse senhor (que vem de longe, aqui deste lado).

só não partilho o sentimento de culpa. mas pronto, tens a minha total compreensão.

12:53 PM  
Anonymous Lila said...

É duro, muito duro.
Eu vivo essa angústia todos os dias. E pior, é que tambem faço viagens e fico fora de casa 3 dias seguidos, muitas vezes.
Ontem o meu filho ficou a chorar no infantário, porque percebeu que eu só voltava sexta. Eu chorei o caminho todo até ao Porto...

9:15 PM  
Anonymous Kika said...

Perguntem ao Prof. Eduardo Sá, que dá aulas e faz tudo o que a SMS diz, quanto tempo passa ele com os 4 filhos. E ele falar-vos-à de tempo de qualidade. Acreditem, eu conheço a peça.

10:38 PM  
Blogger Zuza said...

troca lá os actos por x-actos e corta ao meio cenas que só fazem sentido na cabeça de quem vive noutro país. só pode!

mas isto digo eu, que passei durante anos 10 horas por dia na escola... logo não devo ser boa pessoa :DD.

6:41 PM  
Blogger mena said...

não é fácil, não. e doi que se farta, mas fazemos o melhor que podemos, não é? tento convencer-me disso todos os dias.

10:32 PM  
Blogger Ritinha said...

Olá! Dos 3 aos 9, fiquei sempre na escola das 0730 as 1930, hora a que os meus pais me podiam ir buscar. Adorava a escola, divertia-me imenso e nunca chorei ou fiquei triste por ser a última a ir para casa. Gostava de "ter a escola toda só para mim", conhecia todas as professoras, freirinhas e empregadas e a vida parecia-me muito boa...
Não te preocupes. Dúvido que as crianças fiquem traumatizadas por causa disso. O trauma deve vir de sentirem os pais tão culpados e tristes, não de ficarem a brincar até tarde na escola durante a semana e depois terem pais dedicados, divertidos e carinhosos ao fim de semana. ;)

8:30 AM  
Blogger Pipa said...

Um dia lá chegarei .Vida de mãe :)

10:06 AM  
Blogger lolita said...

Já não basta uma mãe sentir-se culpada de coisas que não pode mudar, ainda têm de vir os profissionais meter mais lenha na fogueira, irra!!
Fizeste-me pensar que daqui a mais 4 meses começo também a deixar o meu bebé na creche, para começar vão ser 6 horas, mas daqui a um ano tem de ser mais... Custa-me acreditar que as crianças fiquem traumatizadas se lhes dermos tempo de qualidade (aquele que seja possível). Hoje vou buscar os mais velhos um pouco mais cedo:-)

12:53 PM  
Blogger Alexandre said...

já aqui vim três vezes para comentar, mas depois apago sempre o que escrevo. esta é a última vez.

11:40 PM  
Blogger CM said...

Já muita gente de certeza que o disse, mas é verdade é uma grande "merda"!!!
Obrigada po escrever sempre tão claramente o que sentimos todas no mais intimo de nós!!!
BJS,

4:23 PM  
Blogger made in ♥ love said...

Felizmente nunca soube o que isso é pela simples razão que tive a felicidade de poder estar minimamente cedo em casa, mas sei que um dia muito brevemente isso vai ter de acontecer e fico com o mesmo sentimento... mas tenho a certeza que todas (os) fazemos o nosso melhor por eles... salvo raras excepções... que as há!!

8:29 PM  
Anonymous candida said...

eu por acaso tive a oportunidade e o prazer de fazer isso. depois da sesta da tarde ia buscar o meu filho e passava a tarde com ele. iamos ao parque, a praia, a feira, lanchar, ao cinema, etc. que saudades.

9:25 PM  
Blogger Boop said...

Isso é tudo muito bonito,mas e soluções para que os pais o possam fazer?Não há apoios de lado nenhum e mesmo quem tem familia disponivel não pode exigir que a mesma tenha disponibilidade para tal.Eu tenho uma opinião muito diferente e acho que não lhes faz mal nenhum estarem no colégio com outras crianças e outros adultos que não os pais/avós.O meu filho com 5 anos está na pré, fica lá ás 8h45 e sai ás 17h45 aproximadamente e não tem nenhum trauma!Vem sempre feliz da vida porque fez inúmeras actividades e brincou...Mau mesmo são os pais que "descartam"os filhos desde as 7h até ás 19h nos olégios porque lhes dá jeito (e eu conheço inúmeros casos) e depois em casa não lhes dão a devida atenção!É preciso equilibrar as coisas, a qualidade do tempo que passamos com eles é a melhor maneira de lhes mostrar que não os "descartamos" mas que não temos outra hipótese!Desculpa o comentário chato mas eu fico piúrça da vida quando ouço estes comentários como se eu fosse trabalhar por prazer e tivesse um filho por capricho!Bjs

11:58 AM  
Anonymous Sofia Gaivota said...

Desculpem-me os psicólogos mas isso é tudo tretas! Gostava que me apontassem uma época na história da Humanidade em que as crianças estiveram com as mães sempre 24h?? Não estou obviamente a falar das classes mais favorecidas mas sim da maioria da "gente".Desde que o homem existe que os pais sempre tiveram que fazer pela vida, fosse a caçar,cultivar, ou trabalhar em qq outro lado. A psicologia explora imenso a nossa culpa e deixa-nos paralisados. Eu fiquei orfã de pai aos 3 anos, a minha mãe sempre teve que trabalhar imenso para me criar a mim e ao meu irmão e considero-me uma pessoa equilibrada! Cheguei à Universidade e tenho tido uma vida normal. A unica coisa que faço é olhar para trás ( talvez por deformação profissional) e ver que nunca a Humanidade viveu tão bem, nunca os nossos filhos tiveram acesso a alimentação e saude como agora e também à qualidade de vida. A qualidade de vida existe e prova-se pelo simples facto de estarmos muito mais atentos que todos os pais das gerações anteriores e darmos muito mais de nós ( ou não estariamos a falar disto). E isso sim é um grande avanço civilizacional. Há 40 anos atrás as crianças começavam a trabalhar com 6 anos de idade! Basta dizer isto ao Sr. psicólogo! :) Bejinhos e menos culpa :)

1:14 PM  
Blogger Marshmallow said...

Foi a primeira vez que passei por aqui e deparei-me com este tema. E não pude resistir a dar a minha opinião pessoal. Em primeiro lugar e depois de ler vários comentários tenho que dizer que seria preciso mudar muitas mentalidades em Portugal, para que as crianças tivessem mais tempo com as mães. A frases tipo "um mundo perfeito de 5 horas de trab não existe...", tenho que dizer: Existe sim, talvez não em Portugal, mas existe! Porque Portugal não é o Mundo, e muito menos exemplo para ninguém! Há países onde as familias têm apoios para criar os seus filhos com tempo e com qualidade, quer seja pela mãe ou pelo pai. E onde as mães que optem por ficar em casa não sejam vistas como aves raras ou parasitas que vivem penduradas nos maridos, mas sim como uma fase na vida de uma mulher que quer criar familia! Porque os nossos filhos serão os jovens de amanhã e é pelas mãos deles que passará o futuro, quer o nosso, quer do mundo que nos rodeia.

2:37 PM  
Anonymous Anonymous said...

E que dizer daqueles pais que têm disponibilidade e nao querem os filhos em casa? Conheço alguns casos. Mães que nao trabalham , mas deixam os filhos 10 horas em escolas e creches, para poderem andar á sua vontade.
Ainda outro dia, um meu aluno que fica as 10 horas na escola , saiu-se que durante as férias esteve numa "escola de férias", e lá passava td o dia com a irmã...e conheço a mãe e sei que nunca trabalhou. Não tenho a menor duvida que estas mães nao gostem dos filhos, sei que parece ser uma mãe atenta, mas pelos vistos, nao quer ter a preocupação de olhar pelos filhos, ocupar-se das refeições, se outros o podem fazer por ela e sem custos adicionais,pq são pessoas que vivem de subsidios...mas o vosso caso é bem diferente, mas penso que o psicólogo se pode referir a estes casos, de pessoas que até nem trabalham e deixam os filhos indefinidamente nas escolas, tal como se trabalhassem e não pudessem cuidar dos filhos. É que há gente para tudo...abraço Ana

5:17 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home